Palavra Pastoral – TEIMOSO

Você se lembra do “João Teimoso”?  Se você tem mais de 50 anos, certamente você ganhou de presente alguma vez na vida um João Teimoso, também conhecido como “João Bobo”. Mas para quem não sabe do que eu estou falando, deixe-me explicar:  João Teimoso era um boneco de plástico, geralmente inflável, que tinha por base uma calota semiesférica que o fazia voltar à posição vertical sempre que era empurrado. Eu gostava muito deste brinquedo. Eu tinha a expectativa de um dia conseguir nocauteá-lo. Ficava muito tempo tentando, mas sem sucesso.

Hoje não vejo mais nas lojas o “João Teimoso”, mas continuo vendo muita gente que age exatamente como ele. Não no sentido positivo, de não se deixar abater e levantar-se sempre. Isso é persistência. Ser persistente é muito diferente de ser teimoso.  O persistente tem um ideal, um projeto de vida e não desiste facilmente diante dos obstáculos. Diferentemente do teimoso, o persistente busca caminhos alternativos, buscando um novo modelo com base em fatos. Ele não insiste em cometer os mesmos erros só por birra.

Você conhece alguém teimoso? Você é teimoso?

Teimoso é todo aquele que se apega a uma ideia sem avaliá-la profundamente. Ele defende com “unhas e dentes” seu comportamento errado, e quando é confrontado não aceita conselho de jeito nenhum

O teimoso geralmente é uma pessoa de difícil convivência porque pensa que só ela está certa e todo mundo é ignorante.

O sujeito teimoso, lá no fundo sabe que às vezes está errado, mas ele nunca “dá o braço a torcer”.

Teimoso é aquele que nega a realidade dos fatos, mesmo quando as evidências contrárias estão ali diante dele.

É claro que a pandemia está atingindo milhares de pessoas e matando muita gente, mas ele acha que “esse negócio de usar máscaras é besteira”. Ele diz que a usar uma máscara é “sufocante” e prefere ter um comportamento irresponsável, colocando a sua vida em risco e a dos outros. Ele é tão ignorante que não percebe que muito mais sufocante é ficar sem ar se ele contrair a covid19 e a doença se agravar.

O teimoso “morre” refutando todas as ideias contrárias ao seu posicionamento inicial. Ele é incapaz de dizer: “Eu estava errado!. Este remédio pode ser mesmo muito bom para boa parte da população, vamos experimentá-lo”.

O filho teimoso geralmente sofre porque não ouve seus pais e traz grande sofrimento para sua família.

Um pai teimoso passa a vida cometendo os mesmos erros com seus filhos e ao final só lhe resta a possibilidade de pedir perdão a eles, o que não fará se for um “velho teimoso”.

A criança tem a tendência natural de ser teimosa. Umas são mais, outras menos. Mas, qual o menino que nunca fez uma birra e insistiu em desobedecer aos seus pais? Certamente você conhece pelo menos um adolescente ou jovem “cabeça dura”. Mas com estes, geralmente temos mais paciência na esperança que amadureçam e sejam capazes de reconhecer que não são os “donos da razão”.

O que é triste mesmo é quando uma pessoa já está de cabelos brancos e continua sendo teimoso. Infelizmente existe idoso “turrão”. Ele sabe que não deve sair de casa nestes dias, mas sai. Ele sabe que precisa usar máscara se precisar sair de casa, mas não usa. Ele sabe que precisa cuidar de sua alimentação, mas não cuida…

Também é muito triste quando um líder é teimoso. Tantos podem sofrer as consequências de sua teimosia…

Há uma expressão bíblica que caracterizava o teimoso povo de Deus: dura cerviz. Este é um pecado tão sério que Deus, certa vez, chegou a propor a Moisés: “Vejo que este povo é realmente um povo de dura cerviz! Deixe que eu os destrua e apague o nome deles de debaixo do céu. ”  (Deuteronômio 9:13)

Eu não conheço ninguém que seja teimoso e bem-sucedido, principalmente em seus relacionamentos com outras pessoas e com Deus.

Como tem sido o seu comportamento nestes dias de pandemia? Você gosta de ir na contramão do bom senso, do cuidado e da prudência? Cuidado! Você pode estar simplesmente sendo teimoso.

Marcos Vieira Monteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.