Palavra Pastoral – CEDER

Você é capaz de ceder? Você sabe quando deve ceder?

Seja no campo das relações internacionais, nas negociações comerciais, dentro da empresa, na igreja e em casa, saber ceder é fundamental.

Uma briga entre duas crianças pode acabar imediatamente quando elas decidem ceder. Até uma guerra pode cessar quando existe no coração dos líderes de uma nação esta mesma disposição.

Ceder é necessário porque nenhum de nós está sempre 100% certo e o outro 100% errado.

Ceder é correto porque não é justo que apenas a necessidade ou a vontade de um só prevaleça todas as vezes.

Ceder é perder. Ceder é ganhar. Ceder significa perder hoje para ganhar amanhã. Ceder é pavimentar o caminho para a paz.

Há conflitos que perduram mais do que o tempo necessário, simplesmente porque ninguém se dispõe a ceder nada.

Ceder é caminhar a segunda milha.

Ceder é mais fácil quando nos esforçamos para vislumbrar a realidade a partir da ótica do outro. Ceder é menos difícil quando, mesmo não concordando ou conseguindo compreender racionalmente aquele que está do outro lado de uma mesa de negociação, somos capazes de auscultar o que está no seu coração.

Ceder nem sempre é justo, porém pode minimizar as consequências de conflitos que produzem mais injustiças ainda.

Ceder compensa quando resulta no fim de um confronto que está fazendo sangrar a alma ou até mesmo os corpos de inocentes.

Não é sábio e nem saudável ceder sempre. Quem cede em todas as situações de divergência corre o risco de viver afundado na amargura. Nas relações amorosas, se apenas um cede sempre, a frustração vem fazer morada e aniquilar este amor.

Se cedermos sempre, acabaremos voluntariamente dando a chave de nossas vidas à terceiros e seremos prisioneiros dos seus desejos e expectativas (que nem sempre são as melhores ou mais adequadas).

Por outro lado, quem é inflexível na dinâmica de seus relacionamentos se torna cada vez mais egocêntrico e insensível às necessidades do seu próximo.

Ceder deve ser, preferencialmente, uma via de mão dupla. Ceder é bênção quando resulta na solução efetiva de um conflito. Ceder é bênção quando expressa e fortalece o amor mútuo porque ambas as partes envolvidas foram capazes de fazer concessões.

Que Deus nos guie nas estradas da vida nos concedendo a capacidade de saber em que ritmo e direção seguir. Que possamos discernir e obedecer às Suas placas de orientação: “Siga em frente” ou “Dê preferência ao outro”.

Marcos Vieira Monteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.