Palavra Pastoral – PREVENÇÃO DEMANDA TEMPO E ESFORÇO (1)

Ontem participei com todos os colaboradores e “staff” de nossa igreja do Curso de Formação de Brigada de Incêndio.

Devo confessar que sempre achei um tanto exageradas e dispendiosas as exigências do Corpo de Bombeiros para o funcionamento do templo e salas da igreja, mas mesmo assim, ao longo dos últimos anos fomos construindo o que era necessário e adquirindo os equipamentos de segurança e combate ao incêndio.

Quando Mazinho (nosso administrador) me informou que precisaríamos passar dois expedientes fazendo este curso com toda a nossa equipe, cheguei a pensar que era um tempo muito longo de “parada” para todos nós. A experiência, porém, foi muito positiva. As excelentes aulas teóricas e práticas agregaram importantes aprendizados em uma área que o meu conhecimento era perto de zero.

Não sei se na hora de um acidente, no sufoco do inesperado, vou realmente conseguir me lembrar qual é o extintor certo a ser utilizado, se saberei fazer o encaixe para ligar os hidrantes, se correrei com a mangueira do jeito certo e apontarei o jato de água com precisão, de modo a debelar as chamas. É mais provável que eu consiga, pelo menos, organizar uma fila de evacuação do templo, ter a “cabeça fria”, jamais jogar água em fogo que se forma na cozinha e agir com prudência não prejudicando o atendimento a uma vítima de um acidente que necessita de primeiros socorros. Na verdade, espero mesmo é que nunca chegue este dia em que eu precise utilizar todos os aprendizados adquirídos.

Este dia de treinamento foi divertido, instrutivo e fisicamente exaustivo. Fizemos em 1 hora e meia exercícios que valem por uma semana de academia.

Um dos conceitos básicos que me chamou a atenção foi qual deve ser o foco prioritário de um brigadista ou bombeiro em uma situação de incêndio. A prioridade não é debelar o fogo, mas resgatar as pessoas que possam estar no meio da fumaça e das chamas. Isto é obvio, mas nem sempre nos lembramos do obvio. O professor do Curso enfatizou que “Nosso primeiro objetivo é salvar vidas”.

Estas palavras ficaram “martelando” em minha cabeça…. “primeiro salvar vidas”.

Ficou mais claro para mim que vidas são tão importantes que devemos envidar todos os esforços preventivos em nosso ambiente para que, caso haja um acidente, ele jamais resulte em mortes. Afinal, somos uma igreja que promove a vida. É nossa missão trabalhar para preservar a vida aqui na terra e ajudar cada pessoa a descobrir o caminho para a vida eterna.

Pude compreender melhor que prevenção requer algo mais do que cuidados pessoais para evitar acidentes. Exige mais do que a conservação adequada de instalações elétricas e hidráulicas. Prevenção efetiva envolve equipamentos adequados para emergências e urgências. Demanda investimento de tempo na busca do conhecimento e esforço (até mesmo físico) nas simulações.

Ter equipamentos adequados sem pessoas qualificadas para utilizá-los não é o suficiente para uma prevenção adequada. Os equipamentos que disponibilizamos precisam ser usados com rapidez e eficiência até que cheguem profissionais qualificados para uma ação mais efetiva.

Precisaremos continuar mantendo treinamentos periódicos porque é sábio preparar-se para o inesperado.

Não existe uma prevenção que seja 100% eficaz. Os resultados das vacinas contra a covid comprovam esta verdade. Porém, em qualquer área da vida, quando investimos na prevenção, o risco de um “acidente” se torna menor. Se, mesmo com a prevenção, o acidente ocorrer, sabendo como agir minimizaremos os seus prejuízos.

Pode ser que nunca precisemos colocar em prática o que aprendemos no treinamento de ontem, mas se a nossa ação coletiva ou individual for necessária para preservar uma única vida, já terá valido a pena.

Marcos Vieira Monteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.