Palavra Pastoral – MENOS OTIMISTA, MAS, MAIS CONFIANTE

Como você está nestes dias? Otimista ou preocupado? Você crê que estamos finalmente chegando ao fim da pandemia, com esta onda, maior em sua extensão, porém, mais suave?

Depois de quase dois anos de pandemia confesso que estou menos otimista quanto ao seu fim definitivo brevemente. Continuo acreditando que ela um dia vai terminar. Afinal, não há mal que dure para sempre. Mas, quando? Mais de uma vez eu imaginei que estávamos nos últimos dias da covid-19 e me enganei.

Talvez você esteja se sentindo como eu e se perguntando: será possível que alguém vai passar por esta pandemia sem se contaminar?

A todo momento ficamos sabendo de mais uma pessoa, um parente ou um amigo que testou positivo e assim, com a nova explosão de casos de covid no Brasil e no mundo, fica mais difícil manter o otimismo a curto prazo.

Há quem diga que esta é a última grande onda da covid. Que assim seja. A verdade, porém, é que somente Deus sabe o que viveremos nos próximos meses em relação à pandemia.

Mesmo com um cenário tão nebuloso, mesmo com dúvidas e incertezas que tentam roubar o nosso otimismo, não precisamos viver ansiosos ou preocupados com o futuro.

Lembre-se: neste tempo, mesmo nos momentos mais difíceis, muitas vezes experimentamos o cuidado de Deus de forma especial.

Sei que há aqueles que estão quebrados emocionalmente, desiludidos, que perderam a fé, que se afastaram de Deus e da igreja, que entraram e permanecem em depressão, que ainda estão desnorteados com as mudanças que experimentaram em suas vidas e ao seu redor. Mas, há também muitos outros que mesmo feridos estão mais fortes, mais corajosos e se sentindo menos vulneráveis.

É possível não estar otimista com o que vamos enfrentar em um futuro próximo, e ao mesmo tempo manter a confiança em Deus.

A confiança em Deus pode nos trazer uma serenidade inexplicável, que está firmada não nas perspectivas positivas, mas na certeza da força e do cuidado do nosso Pai Celestial.

Continuo pedindo muito a Deus que abrevie este tempo de sofrimento. Continuo clamando que Ele tenha misericórdia da humanidade e que intervenha. Seja uma intervenção sobrenatural ou através da medicina. Que não demore o dia em que a pandemia termine e que seus resultados negativos fiquem no passado. Mas, até lá, que a nossa fé se fortaleça, que a confiança gere resiliência e paz interior.

O tempo presente pode não ser ainda propício ao otimismo, mas em qualquer tempo podemos cultivar a fé.

Menos otimismo e mais confiança em Deus. O otimismo é bom, mas a fé em Deus é muito melhor.

Marcos Vieira Monteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.