Palavra Pastoral – AUTOCRÍTICA (2)

Creio que todos reconhecemos que é muito mais fácil criticar os outros do que cultivar a autocrítica.

Talvez a dificuldade de nos avaliarmos adequadamente leve cada um de nós a julgar mais os outros do que a si mesmo.

A autocrítica é um exercício muito difícil. Existem dois extremos igualmente perigosos: sermos muito severos conosco mesmos ou exageradamente complacentes.

É um exercício difícil porque a autocrítica não deve se limitar ao que “produzimos” e ao que é visível aos olhos dos que nos rodeiam.

Precisamos cultivar autocrítica olhando mais fundo. Olhando dentro do próprio coração. Analisando honestamente as motivações reais para cada um dos nossos atos.

É sábio seguirmos o caminho da autocrítica buscando identificar as barreiras que nós mesmos criamos, que nos impedem de ir além e chegar aos destinos que gostaríamos.

A autocrítica sincera nos ajuda a perceber crenças limitantes, que alimentam hábitos ruins arraigados em nosso interior.

Parece que quanto mais velhos ficamos, mais resistentes às mudanças de hábitos. Nossa resistência pode ser tão grande que acabamos achando “justificativas” para permanecer inertes. Nem toda mudança é necessariamente boa. Porém, sempre há algumas mudanças necessárias que resistimos realizar. Resistimos porque nos parecem muito dolorosas. Somente a autocrítica pode tirar a venda dos nossos olhos e nos obrigar a enxergar realidades que preferimos negar. 

Se praticássemos mais a autocrítica e a partir dela mudássemos o nosso comportamento, com certeza, chegaríamos mais perto de ser o que Deus planejou que fôssemos.

Autocrítica requer uma reflexão constante sobre nossas reações espontâneas. O que elas revelam sobre mim?

A autocrítica é essencial para gerirmos adequadamente nossas emoções.

Autocrítica requer humildade para percebermos que nem sempre somos quem imaginamos ser. Pode ser que sejamos melhores do que supomos em uma determinada área e piores do que pensamos em outras.

Quantas vezes falamos tantas coisas sobre outras pessoas, criticamos os outros, mas somos incapazes de compartilhar com franqueza as nossas fraquezas e lutas íntimas até mesmo com amigos?

A autocrítica pode ser melhor desenvolvida em parceria com um amigo, um conselheiro ou um terapeuta, que seja capaz de nos levar a uma auto confrontação.

“Guarda com diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.” (Provérbios 4:23). Penso que este valioso conselho só pode ser seguido com a prática da autocrítica.

Portanto, menos crítica e mais autocrítica. Afinal, você detém maior poder de mudar a si mesmo pela autocrítica do que mudar o comportamento dos outros com as suas críticas.

Marcos Vieira Monteiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.