Palavra Pastoral – SAUDADE

Que saudade…

Do que você tem sentido saudade? De quem você está sentindo saudades?

Parece que esta pausa brusca em nossa vida, esta mudança brutal de rotina, deslocou o nosso pensamento para o passado. Pelo menos tem sido assim comigo. Mesmo com uma agenda ainda mais cheia do que eu gostaria, embora bem diferente dos tempos “normais”, frequentemente me vejo revisitando as memórias dos dias da infância, da adolescência e juventude. Será que estou ficando velho?

Meu grande amigo Albigenor Militão gosta de curtir o passado*. Aprecia o som do disco de vinil, móveis e quadros antigos. Somos da mesma geração. Temos gostos musicais semelhantes e nos faz bem recordar os “velhos tempos” ouvindo canções da década de 60 e 70. Embora não sejamos amigos desde o tempo de infância e juventude, compartilhamos mensagens no whatsapp com aquelas imagens de objetos e experiências que ficaram no passado…. É muito bom ter amigos que nos ajudam a acessar lembranças de tempos que não voltam mais…

Em família também gostamos de lembrar de experiências que marcaram nossas vidas. Ao celebrarmos um aniversário, especialmente dos mais velhos, é impossível não fazer uma breve retrospectiva da história de vida do aniversariante.

Nos últimos anos, dezenas de descendentes dos meus avós paternos têm se reunido a cada dois anos para um fim de semana em um hotel ou acampamento. Vovô Matam e vovó Antônia tiveram 12 filhos. É maravilhoso reunir a família e ouvir as histórias do passado. Histórias edificantes de fé, histórias que nos fazem chorar e dar boas gargalhadas…

Um momento em que o passado pode voltar com força à nossa memória é quando alguém que nos é querido está partindo para a eternidade ou terminou sua jornada aqui na terra. Muitas boas lembranças podem ser evocadas.

Experimentamos a saudade também de queridos que não estão fisicamente perto de nós porque se mudaram para outra cidade ou país, ou porque fomos nós que transferimos nossa residência. Felizmente, com os recursos da tecnologia dos nossos dias, esta saudade pode ser amenizada quando falamos com eles, vemos as suas fotos e conversamos por vídeo.

O fato é que quanto mais saudades você guarda no seu baú de recordações, mais rico você é. Ter muitas saudades significa que você teve um grande número de experiências e relacionamentos significativos. Deve ser muito triste não ter saudades de nada e nem de ninguém.

Nestes dias de pandemia, quando o presente for muito cruel, volte um pouquinho ao passado. Ligue para seus velhos amigos, para seus pais, para seus avós. Compartilhe histórias antigas. Você certamente vai dar boas risadas. Boas recordações podem energizar a sua alma.

Quem sabe você consegue separar um tempinho para limpar e arrumar as gavetas e armários onde estão cadernos e fotos amareladas, cartas escritas à mão. Para a turma mais jovem, certamente vale a pena dar uma olhada em arquivos antigos no computador que não foram deletados…

Aproveite para “matar a saudade”, pelo menos um pouquinho, de quem está longe fisicamente, mas continua perto do seu coração. Aproveite que hoje o custo financeiro deste contato é bem mais acessível e ligue para seus parentes e amigos que estão distantes…

O saudosismo não é bom, porque nos leva a comparar o momento presente com o passado e experimentar aquele sentimento: naquele tempo é que eu era feliz, e agora? O saudosismo é negativo quando nos prende ao passado, impedindo de viver o presente. Mas existe um cultivo da saudade que é saudável. Quando olhamos para trás e vemos a boa mão de Deus nos conduzindo, cuidando de nós, nos sustentando, nos concedendo bons amigos e permitindo viver experiências felizes. Estas lembranças nos fortificam para viver os dias atuais, quando estes são mais difíceis do que os dias que se foram.

Lembra daquela velha canção: Recordar é Viver!? Lendo o livro de Salmos percebo que os salmistas frequentemente evocam a história do povo de Israel, as maravilhosas experiências dos seus antepassados, o agir de Deus no decorrer dos anos e nos convidam a louvá-Lo.  Que tal imitá-los e agradecer as bênçãos recebidas ao longo de toda vida?

Marcos Vieira Monteiro

*Curta o vídeo do Albigenor Militão que compartilho com você. Vale a pena!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.