Palavra Pastoral – REVELAÇÕES DA NATUREZA

“Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra de suas mãos.” (Salmo 19:1)

Não existe para mim evidência mais racional da existência de Deus do que a natureza.

Nestas férias percebi tantas manifestações da presença e do poder de Deus, simplesmente contemplando as maravilhas da criação.

Como imaginar que toda a harmonia da natureza, entre plantas, pássaros e todo o restante da criação é obra do acaso?

Se não tivesse nenhuma outra evidência, nem mesmo uma página da Bíblia para me informar sobre a existência de Deus, eu ainda creria que Ele existe.

O primeiro capítulo da Bíblia me apresenta o Deus Criador. O fato de Deus ser aquele que do nada concebeu e apenas por meio de Sua palavra fez surgir um mundo tão maravilhoso, revela o Seu caráter e a dimensão do Seu poder. Ele fez um mundo rico em detalhes, em sabores, cores, sensações térmicas, que podemos apreciar pelos cinco sentidos que nos concedeu e através do dom da inteligência.

Deus é tão generoso que nos presenteou com inteligência para trabalhar com Ele no aperfeiçoamento de sua obra. Daí, usamos o mundo como matéria prima para o desenvolvimento tecnológico, um desenvolvimento inimaginável para o homem das cavernas.

Assim, apreciamos jardins de uma beleza indescritível, transformamos terrenos inóspitos em lavouras produtivas, construímos habitações aconchegantes, castelos, casas nas montanhas ou nas praias, no deserto plantamos, irrigamos e colhemos saboroso e farto alimento.

O mandato cultural é um grande e contínuo desafio que resulta em conforto e a capacidade de fazer a terra cada vez mais produtiva e linda. Usar as capacidades inerentes à nossa imagem e semelhança do Criador – (criatividade, inteligência, persistência), para “dominar” toda a criação, é mais um presente amoroso que recebemos de Deus.

É lamentável que o pecado afetou tanto esta capacidade e o que deveria ser usado apenas para o bem é também utilizado tantas vezes para a destruição do ser humano e da nossa grande casa que é o planeta terra.

Conscientes que tudo que temos nos é delegado por Deus, que ninguém se arvore requerer como propriamente “seu” nenhum pedaço do universo. Pois de fato, tudo, por direito, continua pertencendo ao Criador.

Que saibamos preservar a natureza, utilizando os recursos que ela nos provê para sustento e lazer, com sabedoria.

Que ao olhar ao nosso redor continuemos vendo em cada detalhe, de um espetáculo grandioso como as Cataratas de Foz do Iguaçu, à leveza de uma borboleta pousando em uma flor, a manifestação da glória de Deus.

Marcos Vieira Monteiro

Esta meditação tem como inspiração Gênesis capítulo 1. Todos os sábados nossa “Palavra Pastoral” terá como base um dos capítulos do primeiro livro da Bíblia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.